Faturamento de convênios: descubra tudo que o Diagnosis pode fazer! Parte 2

faturamento de convênios
6 minutos para ler

Conforme anunciado, aqui está a segunda parte do nosso conteúdo sobre Faturamento de convênios em laboratórios. A primeira parte deste conteúdo está no link, onde abordamos os seguintes temas:

  • Por que os processos de faturamento são tão complexos?
  • Como a tecnologia pode simplificar as atividades nesse departamento?
  • Como automatizar o faturamento de convênios, do SUS e particulares?
  • Quais são os benefícios do módulo de faturamento do Matrix Diagnosis?

Continue lendo para entender mais sobre este assunto tão importante! Falaremos a seguir sobre os tipos de faturamento e como lidar com as glosas. Este conteúdo foi baseado na entrevista com Adriana Osti, especialista em faturamento da Matrix. 

Quais são os tipos de faturamento existentes em um laboratório?

Para atendimento aos pacientes, os laboratórios podem receber de diversas fontes pagadoras, como as Operadoras de Planos de Saúde, o SUS (Sistema Único de Saúde) e o próprio paciente (atendimento particular).

Para cada fonte de pagamento existem padrões previamente estabelecidos em cada segmento:

  • Operadoras de Plano de Saúde: São os Convênios de fato, representadas pelos Planos de Saúde e Seguros Saúde do Paciente, regulamentadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Esses serviços oferecem assistência médica e hospitalar aos seus clientes, sendo responsáveis pelo pagamento dos faturamentos gerados durante o atendimento laboratorial dos seus beneficiários. As trocas de informações entre Laboratórios e Operadoras são padronizadas através do Padrão TISS (Troca de Informação em Saúde Suplementar). Exemplos: Unimeds, Amil Assistência Médica, Sul América etc.
  • SUS: O faturamento do SUS estabelece a troca de informações com o laboratório (prestador de serviço) conveniado ao SUS. Essa relação é estabelecida de forma transparente, promovendo a remuneração do prestador de serviços pelos atendimentos realizados. Para que o laboratório possa prestar serviço ao SUS precisa estar cadastrado no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O faturamento laboratorial do SUS é realizado e gerenciado pelo Boletim de Produção Ambulatorial (BPA). O BPA permite o registro de todos os atendimentos realizados pelos prestadores de serviço associados ao SUS, permitindo a otimização da digitação e remessa dos dados.
  • Pagamentos Particulares: Os laboratórios possuem uma tabela de referência e fazem a cobrança diretamente com o paciente. Os atendimentos particulares ocorrem quando o paciente não possui um Convênio ou este não oferecer cobertura para o Procedimento solicitado. Nesse caso, o faturamento é realizado diretamente para o Paciente, que efetua o pagamento baseado nos preços de uma tabela de cobrança particular estipulada pelo laboratório. O Matrix Diagnosis está preparado para gerar o Faturamento Eletrônico utilizando o Padrão TISS, o BPA e os controle dos recebimentos de atendimentos particulares.

Como lidar com as glosas financeiras e como evitá-las

glosa financeira — quando as operadoras não pagam os procedimentos realizados no laboratório — é um dos mais sérios problemas dos laboratórios. Afinal, muitos laboratórios atendem principalmente pacientes que são beneficiários de convênios médicos, portanto, as glosas podem ter um alto impacto no caixa, podendo trazer sérias complicações econômicas para o negócio.

Por esse motivo, é preciso um olhar profundo para as causas das inconformidades administrativas, que porventura possam levar ao bloqueio ou ao atraso dos pagamentos por parte dos planos de saúde.

As falhas podem começar na etapa do pré-atendimento ao cliente. Assim, divergências em valores de coberturas e acordos acabam dando origem às glosas. Por isso, atendimento (recepção e call center) e faturamento precisam estar integrados para agir de forma articulada.

Nossa especialista em faturamento alerta que uma quantidade muito alta de glosas pode fazer com que o laboratório seja descredenciado.

Caso o laboratório conte com um software especializado como o Diagnosis, este faz o gerenciamento automático das glosas, agilizando os recebimentos. “Além de toda uma idealização conceitual para evitar glosas, caso ainda haja algumas, o Diagnosis possui um gerenciamento de glosas completo. Assim, o laboratório consegue registrar todas as devolutivas das operadoras de pagamento ou de glosa de cada atendimento realizado. Isso é feito através das plataformas de comunicação entre os laboratórios e as operadoras. Com essa ferramenta, é possível montar lotes de recursos de glosa e gerar arquivos eletrônicos para serem submetidos às operadoras para análise”, comenta Adriana.

Portanto, o faturamento de convênios, de SUS e de particulares pode ser rapidamente automatizado e integrado em uma única ferramenta. Afinal, um bom sistema deve ter recursos para tocar o setor com mais velocidade, menos inconsistências e com rastreabilidade.

Além disso, vale lembrar que esse software resolve quase todas as rotinas do laboratório. “Para isso, é feita uma consultoria detalhada, na qual o profissional de projetos sugere todas as funcionalidades que podem ser implantadas com foco nas necessidades do contratante”, diz a especialista da Matrix.

Atualizações em tabelas de convênios

A gestão dos contratos e negociação de coberturas e preços com as Operadoras de Plano de Saúde é realizada pelos laboratórios. Diante de uma alteração relacionada a preços, coberturas, o próprio administrador do sistema dentro do laboratório, atualiza as tabelas de Contratos e honorários no Diagnosis.

Como o sistema Diagnosis funciona?

O módulo de faturamento é um dos módulos do Diagnosis, que é o Sistema de Gestão Laboratorial da Matrix e que faz parte da gama de soluções oferecidas pela empresa. Em um negócio que ainda não possui sistemas para laboratórios, o objetivo da informatização laboratorial é automatizar os processos já existentes e que são feitos de forma manual, aprimorando a sua rotina.

Pelo Diagnosis passam todos os processos desde o agendamento de um exame até a emissão do laudo para ser retirado no site ou para ser enviado para algum outro sistema, como um sistema hospitalar. No Diagnosis são armazenados todos os dados dos pacientes (veja um artigo sobre como proteger os dados clicando aqui) e das amostras, com segurança e rastreabilidade, de modo a organizar a rotina laboratorial. A ideia ao se implantar o Diagnosis não é apenas ter um sistema, mas é ter uma solução para vários problemas que o laboratório possa estar enfrentando e que podem ser resolvidos com o uso da tecnologia, já que ele é fruto de milhares de horas de aprimoramento contínuo para atendimento das demandas vindas de clientes de todas as partes.

Para o crescimento do laboratório é necessário um sistema que atenda e evolua de acordo com a expansão do seu negócio.

Esperamos que esteja gostando dos nossos conteúdos! Se quiser uma demonstração dos sistemas ou tiver dúvidas, entre em contato conosco.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.