Laboratórios públicos x privados: como suprir a necessidade de cada modalidade?

laboratórios públicos
9 minutos para ler

É pouco comum nos estabelecimentos públicos a informatização plena dos processos. Por exemplo: o controle automático da circulação de pacientes no pré-atendimento é uma realidade na iniciativa privada. O mesmo pode-se dizer da disponibilização online dos resultados de exames, que é menos comum no universo público.

Laboratórios públicos e privados apresentam semelhanças em seus modelos de operação. No entanto, pode haver mais carências de recursos humanos, de finanças e de soluções de TI nas unidades governamentais.

A boa notícia é que a Matrix pode implementar uma série de soluções, processos e módulos, que reduzirão seu TAT (Turn Around Time ou Tempo de Resposta) e possibilitarão a otimização dos recursos, com aumento da produtividade. Isso já é a realidade em vários laboratórios públicos.

Neste post, o Gerente de Contas Públicas da Matrix, Daniel Alves, fala com exclusividade sobre como aprimorar as operações e a captura de dados em laboratórios públicos e particulares. Tem interesse? Então é só conferir!

Quais são as diferenças entre laboratórios públicos e privados?

Segundo Daniel, os processos de implementação tecnológica em laboratórios públicos podem ser até mais fáceis do que os das unidades particulares.

“O órgão público geralmente apresenta um grau de dificuldade menor em seus processos, já que pela natureza do laboratório privado, que atua num ambiente mais competitivo, os processos se tornam mais complexos. Isso porque (no caso dos particulares) existem outras necessidades, como controle do faturamento e do recurso de glosas”.

Independentemente da natureza dos clientes, a Matrix proporciona soluções singulares para solucionar os mais variados problemas encontrados nos laboratórios, como explica Daniel.

“O Gerente de Projetos (GP), junto com a equipe, tem a missão de compreender cada cliente para propor a solução mais adequada para cada situação, sempre atendendo ao requisito inicial, que podem ser os requisitos do edital (no caso dos laboratórios públicos) ou os requisitos do comprador (no caso dos laboratórios privados). Esse GP está sempre olhando para o perfil do cliente e a solução é implementada de acordo com a necessidade dele.”

Como a Matrix ajuda os laboratórios particulares?

Os sistemas da Matrix são implantados em todos os processos já existentes ou que foram criados durante o projeto executivo. Existem negócios e serviços diferentes, porém, temos múltiplas soluções para todos os casos”, esclarece Daniel.

Confira a seguir alguns tipos de laboratórios que podem se beneficiar com o uso dessas soluções.

Laboratório hospitalar

Para um laboratório hospitalar, é possível dispensar os módulos de recepção e focar a partir da área de coleta de material em diante, fazendo integrações com o sistema de gestão hospitalar (HIS) para recebimento do cadastro de pacientes e pedidos de exames, com devolução de resultados para o mesmo.

Laboratório ambulatorial

As soluções Matrix controlam o fluxo do paciente dentro e fora do laboratório. Isso inclui pré-atendimento, cadastro, coleta de material e envio para a área técnica! Também automatizamos a liberação técnica e clínica, a disponibilização dos resultados na internet e o faturamento para os convênios.

Laboratório de apoio ao diagnóstico por imagem

Para aqueles laboratórios que possuem um centro de diagnóstico por imagem, temos soluções que vão desde o agendamento, passando pelo controle do fluxo da movimentação do paciente no interior da unidade, até a laudagem.

Além disso, os softwares também executam automaticamente a tramitação de material e de laudos técnicos e clínicos, até a colocação do resultado no ambiente online. 

Laboratório de Apoio

Poucos fornecedores possuem um sistema completo para laboratórios de apoio, como o que a Matrix desenvolveu, e que é utilizado por grandes Laboratórios de Apoio do mercado. O sistema suporta um enorme volume de transações com segurança, robustez e rapidez, essenciais para esse tipo de negócio.

Por que a Matrix amplia a eficácia dos laboratórios públicos?

A Matrix tem apresentado bons resultados para os laboratórios públicos, tanto na questão operacional como nos quesitos de bom atendimento e excelência nos serviços. A maioria dos laboratórios públicos possuem colaboradores dedicados e incansáveis, que lutam contra a falta de recursos diariamente. Poder transformar a rotina desses laboratórios é extremamente gratificante e algumas melhorias podem ser percebidas em um prazo bastante reduzido.

“Existem laboratórios públicos com uma imensa circulação de pacientes e volumes gigantescos de materiais para serem processados. Os gestores são pressionados por resultados rápidos, mas nem sempre possuem a estrutura ideal para isso. Podemos mudar essa realidade através de sistemas de informações adequados”, afirma Daniel.

Ainda de acordo com Daniel, a Matrix reduz o tempo de resposta dos laboratórios públicos, ampliando a satisfação de seus usuários e pacientes. “Apesar da possível falta de infraestrutura em algumas instituições, podemos implantar processos e módulos que contribuem para diminuição dos TATs, desde a coleta até a disponibilização do resultado. Assim, temos conquistado excelentes resultados nesse nicho, que está sendo ampliado continuamente”.

Como as integrações da marca beneficiam os laboratórios públicos?

As integrações entre os sistemas são indispensáveis para apresentar bons resultados de ponta a ponta. Com elas, garante-se a conectividade entre os vários sistemas envolvidos e a Matrix possui um setor inteiramente dedicado às diversas integrações em funcionamento.

“Dentre as diversas soluções, destaco a integração do Middleware na área técnica com os instrumentos de análises e os pré-analíticos. Além disso, temos integrações com diversas plataformas de sistemas públicos, como o SIGA Saúde, AGHU, Hemovidas, Hospub etc, o que traz uma série de vantagens para a instituição, como agilidade do cadastro no momento da admissão”, explica Daniel.

Uma grande facilidade é possibilitar que os cadastros dos pedidos de exames sejam realizados nas UBS (Unidade Básica de Saúde), recebendo o cadastro dos pacientes através das integrações com os sistemas de prontuário eletrônico. As amostras são reconhecidas automaticamente ao chegarem nas centrais de processamento de exames e os laudos são emitidos assim que os resultados são liberados, podendo ser visualizados ou impressos nas UBS, trazendo agilidade e economia para o setor.

Como as soluções de TI ajudam os laboratórios públicos que não possuem infraestrutura nos postos?

Um percentual elevado dos laboratórios públicos tem dificuldades de infraestrutura que possa receber informatização. O mesmo acontece em campanhas itinerantes — nas quais a coleta precisa ser realizada no local da iniciativa de saúde — ou nos casos da coleta domiciliar. No entanto, mesmo unidades não informatizadas podem ser contempladas com a modernização.

“A Matrix dispõe de recursos que fazem a reserva de uma faixa do número de admissão de pacientes no sistema, e que geram as etiquetas de amostras para identificação do material no momento da coleta. Essas etiquetas pré-impressas são encaminhadas para os postos de coleta e, quando o material retorna para a unidade laboratorial, faz-se a associação da amostra com o pedido, através de um leitor de código de barras. Em seguida, tudo é encaminhado para a área técnica, sem a necessidade de reetiquetagem”, esclarece Daniel.

Quais critérios usar na escolha de softwares laboratoriais?

Para Daniel, os laboratórios públicos precisam esclarecer com objetividade aquilo que necessitam da ferramenta. “O cliente público não pode escolher um sistema de mercado livremente, já que necessariamente, ele precisa de um Termo de Referência e uma licitação. Nesse caso, a especificação detalhada é um dos elementos mais importantes para atrair os melhores fornecedores para o certame”.

Para os laboratórios particulares, o conselho é o mesmo. Para o laboratório privado também não é uma tarefa fácil, ainda mais se for uma substituição de um sistema em produção. Diante disso, o gestor pode se valer de um RFI [Request for Information ou Pedido de Informações], que permitirá analisar o potencial dos fornecedores, bem como a aderência da solução ao negócio ou à gestão”.

Daniel deixa dicas práticas que valem para laboratórios públicos e privados:

  1. Analise a metodologia de implantação e seu impacto;
  2.  Descubra como será o treinamento dos usuários antes, durante e pós-implementação;
  3. Questione sobre o suporte no processo de transição e após o funcionamento do software, converse com clientes que utilizam os serviços;
  4. Procure saber se a solução candidata tem aderência à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) a fim de garantir a segurança da informação;
  5. Verifique o tempo médio de interrupções dos serviços para atualizações e saiba quem será o responsável por elas;
  6. Avalie as condições de customização e o limite dessa aderência;
  7. Exija integrações nativas com as plataformas mais utilizadas no mercado. Por exemplo: conectividade com as operadoras de saúde.

Por que a Matrix é a melhor opção do mercado laboratorial?

A Matrix soma quase 40 anos de experiência nos seguintes modelos de negócio: Laboratórios de Apoio, Laboratórios Ambulatoriais, Laboratórios Hospitalares, Laboratórios Públicos e Privados.

Mais um diferencial é o time multidisciplinar. Contamos com uma equipe altamente qualificada, incluindo engenheiros, analistas de sistemas, farmacêuticos, biomédicos, biólogos, entre outros”, revela o Gerente de Contas Públicas da Matrix.

Portanto, todo laboratório de análises clínicas pode se beneficiar com as ferramentas Matrix, reduzindo os custos de execução dos exames, tornando as operações mais rápidas e diminuindo drasticamente os erros.

Quer mais detalhes? Então entre em contato com a Matrix!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.